10.22.2007

Monólogo da dor nas costas

Eu quero mais é que o diálogo se quebre
a palavra me persegue
o diabo foge da cruz
Eu quero mais é que a poesia imperfeita
feita de sombra e luz
se defina ser a dor
quando a dor é pra ser sentida
todos sentidos de dor
Meu corpo quebrado
oco de ar rarefeito
feito verso jogado ao chão
Calem-se os poemas
ossos percam a cor
sumam das minhas costas

10.07.2007

Minha casa, coração, tem vidraças embassadas.
Querubins nos tetos e fachadas,
nas paredes tem murais,
nas portas portais,
tem um palco em minha casa, coração,
personagens tem demais.
Minha casa é o meu coração,
onde moram os querubins,
onde pintam os murais,
onde as portas são portais
no meu palco personagens nada mais.
Minha casa é bonita, coração.
Pena que minha casa, o coração
tem vidraças embassadas

10.04.2007

Dige e tal
nas ondas
deste temporal
Dige disse que pro tal
deste tal de virtual
que precisa de conectar e se
e coisa e tal
digere tudo que se vê
deste teu jeito irreal
Teria sido se não fosse tudo igual
Se dige desse tudo a tal
talvez tivesse explicação
pra toda nova onda
deste temporal