4.19.2007

O menino encarou a vida,
olho no olho,
ao piscar,
já era noite,
já era velho.
Dentro de si a medida das suas conquistas.
Palavras, imagens do tempo
O valor de suas lembranças rascunhadas
Palavras, pétalas ao vento
O peso do papel, o tamanho da consciência,
nos segundos que o separam do fim.
mamãe chora saudades
eu choro poesias
papai conta piadas
eu conto os dias
vovô lembra sol
eu lembro passado
vovó pão doce feijão
Eu pão sovado